"Inacreditável" desafia estigmas e provoca discussões

Membros de grupos de vítimas de violência sexual se encontraram com as produtoras executivas e integrantes do elenco da minissérie Inacreditável para um painel de discussão sobre a experiência de sobreviventes e formas de apoio a essas pessoas.

A conversa, conduzida nos escritórios da Netflix em Hollywood, está associada ao lançamento da minissérie Inacreditável. O projeto em oito partes conta a história de Marie (Kaitlyn Dever), uma adolescente que encara a descrença da polícia e das pessoas mais próximas quando conta que foi agredida sexualmente por um intruso.

O evento trouxe panelistas de várias organizações líderes no tema: End Violence Against Women International, Peace Over Violence, Project Sister Family Services, Rape, Abuse & Incest National Network (RAINN), Hollywood Health & Society e Together We Rise . Profissionais especializados e representantes da RAINN estavam disponíveis para apoio adicional a quem precisasse, durante ou depois do painel.

Joanne Archambault, CEO da End Violence Against Women International, disse esperar que a série possa ajudar a transformar estereótipos ligados à violência sexual. “É uma questão de mudar as ideias sobre como devem se parecer vítimas de violência sexual”, disse.


Inacreditável é inspirada por várias fontes. Entre elas, está a reportagem de 2015 “An Unbelievable Story of Rape”, dos portais de notícias ProPublica e Marshall Projec, que ganhou um Prêmio Pulitzer e abriu caminho para o livro de 2018 A False Report: A True Story of Rape in America. A história também inspirou um episódio de 2016 do podcast This American Life, intitulado “Anatomy of Doubt.”.

Ken Armstrong, coautor da reportagem e do livro, também participou do painel, ao lado das produtoras executivas Susannah Grant (Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento), Sarah Timberman (Justified) e Lisa Cholodenko (The Kids Are Alright) e dos membros do elenco Kaitlyn Dever, Merritt Wever, Danielle Macdonald e Eric Lange.

“O que espero que a série faça é tornar essa questão algo a ser discutido pelo público”, disse Archambault, ao agradecer a equipe criativa.

Durante a discussão, foram exibidos trechos da série, como o exame de Marie no hospital e uma de suas conversas iniciais com a polícia sobre o incidente. (Aqui, uma olhada nos bastidores na série.)

Além de explorar os impactos que as investigações sobre o ataque provocaram em Marie, a minissérie também cobre questões subsequentes que ela e outras vítimas enfrentam na esteira da violência sexual. “O que a série faz muito bem é falar de segurança”, disse Wendy Blanco, diretora de recursos clínicos da Peace Over Violence. “Se você não se sente fisicamente segura, não poderá desempenhar suas funções diárias.”

Archambault é uma funcionária aposentada do Departamento de Polícia de San Diego, na Califórnia, que supervisionou a unidade de crimes sexuais por 10 anos. Ela ajudou a lançar a campanha de conscientização pública Start By Believing, projetada para mudar a forma como a sociedade responde a vítimas de abuso infantil e violência sexual. Antes do lançamento da minissérie, a Start By Believing montou uma página dedicada a Inacreditável, com informações sobre como obter ajuda, se voluntariar e muito mais.

“Eu realmente acho que vai haver um impacto”, disse Archambault sobre a minissérie. “Todos precisamos entender melhor com funciona a violência sexual, mudar as visões erradas e transformar o estigma social negativo associado.”

Imagens são cortesia da Netflix e de Andrew Toth/Getty para a Netflix

Mais de Blog corporativo

Top