Do Roteiro às Telas: empoderando a produção com tecnologia

A Netflix passou por muitas transformações desde seu lançamento há 20 anos, e também originou mudanças na forma como as histórias ganham vida. Nesse processo de evolução até nos tornarmos um produtor global de entretenimento, também nos tornamos responsáveis por todas as etapas de criação das histórias. Produção é uma área complexa e sofisticada, porém até hoje não acompanha outros mercados na utilização de tecnologias que possibilitam inovação, colaboração e comunicação. Na Netflix, temos um desafio singular ao produzir em dezenas de países espalhados pelo mundo e em escala crescente - com dezenas de milhares de membros nas equipes de produção criando entretenimento para a Netflix ou em nome da Netflix. Nós passamos os últimos dois anos analisando essa questão e estamos empolgados com as oportunidades que vemos tomar forma na intersecção entre tecnologia e produção.

Um dos focos desse esforço tem sido uma iniciativa chamada Prodicle. Em sua essência, a Prodicle coloca uma vasta gama de tecnologias aplicadas à produção nas mãos de nossas equipes de produção freelancers. Ao criar esse ambiente de base, somos capazes de nos beneficiar de tecnologias já existentes (como a G-Suite da Google) para colaborar com nossas produções em tempo real. Além disso, somos capazes de introduzir novas tecnologias para alterar as bases de planejamento e logística de produção. Um exemplo disso é o nosso primeiro aplicativo progressivo para web chamado Prodicle Move.

O objetivo do Move é fornecer uma resposta a uma pergunta simples: “O que está acontecendo no set agora?” Nós queremos colocar essa informação nas mãos de todos os usuários através de um aplicativo de celular que apresenta os principais dados das filmagens. O conceito por si só não é inovador, mas a perspectiva de obter informações antes apenas disponíveis por e-mails ou PDFs e centralizar tudo em tempo real abre infinitas possibilidades para eficiência - por todo o processo de produção e no próprio estúdio.

Estamos testando o Move há vários meses em algumas de nossas maiores produções. Nossos parceiros em GLOW e Lemony Snicket - Desventuras em Série são apenas dois exemplos da incrível disposição de uma equipe para mudar elementos importantes de seu fluxo de trabalho e tentar algo novo. Após algumas semanas de teste e coleta de dados, nossas eficientes equipes de engenharia foram capazes de transformar essa resposta em novas funções, criando um sólido ciclo de feedback para desenvolvimento. É a parceria ideal: nós aprendemos e aperfeiçoamos ao mesmo tempo.

A “indústria” da produção de cinema e TV é árdua, complexa e passível de infinitas formas de ineficiência. Pare para pensar: centenas de pessoas que podem jamais ter trabalhado juntas se reúnem em lugares do mundo onde nunca estiveram e gastam milhões de dólares com base em uma única ideia. Para produções que envolvem múltiplas locações globais, isso adiciona uma nova camada de caos “organizado” que engloba viagens, fusos horários, práticas multiculturais de negócios etc. Esse apetite por flexibilidade dá imensa liberdade ao lado criativo e ao mesmo tempo sobrecarrega a produção com processos de organização. A produção de filmes como forma de arte precisa ser encorajada e preservada, e melhorar elementos operacionais que dão suporte a essa arte é um elemento importante nesse esforço. Por quê? Isso diminui o peso dos processos operacionais e proporciona à equipe a possibilidade de gastar mais tempo no processo criativo.

Muitos dos processos rudimentares de qualquer negócio são prevalecentes no espaço de produção. Gerenciamento de equipe, relações com instalações/fornecedores, planejamento e logística, comunicação global e segurança também são processos fundamentais no ramo de criação de conteúdo. Infelizmente, pela complexidade do ambiente de produção, esses processos fundamentais têm sido de certa forma negligenciados pela tecnologia moderna. Ao reconhecer essa necessidade, várias empresas de software tentaram solucionar a questão para o mercado de produção. Contudo, essas soluções não são robustas e suficientemente modulares para atender às necessidades que envolvem todas as variáveis do nosso conteúdo. Um benefício que em outra empresa possa ser uma aquisição “legal”, na Netflix é “necessária” - por conta da escala do nosso trabalho. Nós incentivamos o crescimento do mercado de software de suporte à produção ao sermos defensores dessa mudança desafiadora, porém necessária.

Em se tratando da equipe de trabalho, nós temos em mente três pontos-chave: tempo, empoderamento e impacto. Tempo: é a moeda pessoal de todos os envolvidos. Empoderamento: o sentimento de contribuição significativa. Impacto: os resultados dessa contribuição pelo tempo bem gasto.

Estamos focados em explorar o poder da tecnologia para auxiliar nossos parceiros criativos e eliminar o peso tático de gerenciar produções em grande escala. Empoderar as pessoas para que atinjam seu maior potencial enquanto trabalham em um projeto da Netflix é um objetivo pelo qual lutamos com orgulho, e acreditamos que a tecnologia aliada a grandes talentos criativos irá nos ajudar a chegar lá.

Os desafios que enfrentamos são muitos. A implementação não virá facilmente, pois estamos lidando com um ambiente imerso em um sistema legado. Acreditamos que o sucesso depende de encontrarmos e desenvolvermos soluções que beneficiem igualmente os ambientes de produção e de estúdio. A parceria entre a Netflix, a comunidade de tecnologia e a comunidade de produção de entretenimento é essencial.

Siga nosso blog de tecnologia para publicações futuras e mais detalhes sobre nossa estratégia tática e empenho para desenvolver e levar a tecnologia aos estúdios e ambientes de produção.

-Chris

Chris Goss é diretor de tecnologia de estúdio da Netflix

Mais de Blog corporativo

Top